Nascido em Olinda no final do ano de 19842, Romildo Albuquerque é membro de uma família de artistas. São 4 irmãos dos quais 3 continuam a viver em Pernambuco. O mais velho, Geraldo, faz uma arte religiosa que mescla o barroco e o bizantino. Tarcisio faz montagens com cenas folclóricas, históricas e circos . E o mais novo, João, é carnavalesco.

 

São todos artistas reconhecidos e apreciados, nacional e internacionalmente. Romildo começou a trabalhar artisticamente  em 1961, realizando talhas onde figuravam meninas. O cineasta Luis Carlos Barreto se encantou com essas talhas e comprou todas.

 

Incentivado pelo sucesso de suas primeiras obras, Geraldo algum tempo depois foi para Salvador, a convite da Galeria Quirino. Até hoje mantém vínculos com essa cidade, através da Galeria Paulo Darzé, onde realizou individual. Um de seus trabalhos, uma Santa Ceia, chamou a atenção do consagrado Caribé, que o elogiou publicamente, e fortaleceu sua ousadia  de jovem artista, levando-o a vender alguns de seus trabalhos diretamente ao público, nas feiras turísticas de Salvador, onde foi acolhido com grande aceitação e facilidade.

 

De volta a Olinda começou a trabalhar com portas antigas onde entalhava cenas bíblicas e do cotidiano. Em 1970 mudou-se para o Rio e foi contratado por Eugenio Carlos Coimbra, que, a despeito de não exercer atividade artística, contratava entalhadores para criar obras que eram assinadas com o nome Batista e que passavam como sendo de sua autoria.

 

Promovidas pelo cronista Ibrahim Sued, essas peças decorativas (portas, painéis, biombos) tiveram grande sucesso econômico. Embora ganhasse muito bem, Romildo logo foi acometido de desânimo, pela incongruência da situação, a suspensão da criatividade e o anonimato decorrente. Retomou então seu trabalho e um deles chamou a atenção do jornalista Roberto Marinho. Esse cliente foi fundamental para que logo angariasse uma legião de fãs, entre os quais podem ser citados Adolfo e Pedro Bloch, Juscelino Kubitschek, os políticos Marcos Tamoyo, Jarbas Vasconcelos  e o ceramista Francisco Brennand, entre outros.

 

Muitos de seus trabalhos foram para o exterior. Acabou por realizar poucas exposições, pois tinha dificuldade em juntar peças com essa finalidade, já que as vendia com extrema facilidade. Ainda assim fez individuais na Galeria Macunaíma, da Funarte, na Galeria H. Stern, na ABD/Lagoa e na Galeria do Copacabana Palace Hotel.

 

Romildo é um dos mais fecundos e dedicados artistas brasileiros da vertente religiosa. Seus trabalhos, sempre muito originais e elaborados, pertencem ao ciclo neogótico, bem mais raro, e não ao barroco, o qual influenciou tantos artistas e deixou o mais numeroso legado de obras do imaginário católico brasileiro. Os entalhes de Romildo têm aparência rústica, e embora muito refinados, aparentam pertencer a uma categoria “primitiva”. São feitos com partes de portas e janelas antigas, adaptadas ao espaço que necessita para sua criação. Suas sapientes e exatas composições, o domínio técnico e a economia de meios fazem dele um artista único no cenário nacional.

 

 

Arte Popular BrasileiraA Galeria Brasiliana é dedicada à Arte Popular Brasileira. Ela foi fundada por Roberto Rugiero e busca promover os mais autênticos escultores, ceramistas, pintores, desenhistas e artesões artistas, tendo como ponto de partida a excelência da obra, e não o currículo.

A Galeria Brasiliana assessora projetos de arquitetura de interiores, fornecendo imagens, sugestões e colaboração prática; formação de coleções privadas e institucionais em arte de raiz; consultoria de investimentos em arte; análise de talentos e suas possibilidades; palestras, apresentações e debates com grupos interessados em conhecer, investir e avaliar obras, mercados e potencialidades; montagem e cessão de obras para mostras em lugares de grande circulação pública; aluguel de obras; emprego da arte na comunicação institucional de empresas e corporações (álbuns artísticos, calendários, livros), e edição de xilogravuras e giclês (réplicas autorizadas e numeradas de excepcional qualidade).

 

 

Galeria Brasiliana
Rua Cardoso de Almeida nº 1297, Perdizes, São Paulo-SP
Telefone: 55-11-3086-4273
E-mail: galeria@galeriabrasiliana.com.br
http://www.galeriabrasiliana.com.br/