Apesar de parecer estar em desuso este tipo de colecionismo, segundo dados internacionais, a filatelia conta com mais de 40 milhões de adeptos no mundo. Somente na China são 30 milhões de colecionadores e nos EUA são quase 2 milhões, sendo um mercado que movimenta aproximadamente US$ 16 bilhões por ano. No Brasil, segundo país do mundo que emitiu selos, essa atividade é tida como uma das mais profícuas, onde o famoso selo “Olho-de-boi”, precursor da filatelia brasileira, foi impresso em 1843. Internacionalmente reconhecido como o primeiro selo lançado no mundo, o famoso “Penny Black” inglês foi criado em 1840. Também a Inglaterra foi o primeiro país do mundo a formalizar e profissionalizar o mercado filatélico, inaugurando em 1856 em Londres a primeira casa filatélica, a renomada Stanley Gibbons.

 

As áreas da Filatelia

Mas voltando à filatelia, que a priori pode ser definida como o estudo e o colecionismo de selos postais e materiais relacionados, ela se caracteriza por várias áreas de estudo, a saber: filatelia tradicional, história postal, pré-filatelia, marcofilia (colecionismo de marcas postais/carimbos), inteiros postais, filatelia temática, aerofilatelia, astrofilatelia (colecionismo relacionado à temática de explorações espaciais), maximafilia (colecionismo de máximos postais que incluem o cartão postal com selo e carimbo), filatelia juvenil, literatura filatélica, selos fiscais e classe aberta (colecionismo livre em temática).

 

Conhecimento e capital

O objetivo deste hobby é selecionar selos para compor uma coleção, que pode ser geral ou temática. Existem coleções que além dos selos possui informações sobre o tema, parâmetro utilizado por muitas pessoas nas coleções temáticas. Enquanto entre as coleções gerais, pode-se dizer que se dividem em mundo e país, é frequente encontrar coleções com apenas selos de um país, assim como de qualquer lugar do mundo. Apesar de diferenças entre os vários tipos de coleções, um único ideal une os filatelistas de todo o mundo: a vontade de conhecer mais sobre um lugar, objeto, pessoa, país, etc. É o conhecimento que estimula os filatelistas a continuarem com este hobby. Também leilões europeus e norte-americanos continuam movimentando este mercado filatélico, sendo que alguns itens raros chegam a atingir milhares de dólares, quando não milhões. É o conhecimento e o capital movimentando este tipo de colecionismo centenário.

 

Dica Literária
CLASSIQUES DU MONDE – 1840 – 1940
Ed. Yvert & Tellier, 2010

Do Penny Black inglês, emitido em 1840, às grandes séries coloniais dos anos 1930, esse catálogo, totalmente ilustrado em cores, reúne um século de filatelia através dos cinco continentes do mundo. Um verdadeiro “revival” para os amantes e colecionadores de filatelia.

Edição em francês.

 

 

 

Antiguidades e obras de arte

José Márcio Viezzi Molfi é fundador da VM Escritório de Arte, antiquário clássico de São Paulo especializado na comercialização de obras de arte e antiguidades; pesquisa, catalogação, avaliação e gestão de acervos; consultoria em “art investment” para colecionadores e instituições públicas e privadas; realização de exposições e leilões de arte e antiguidades, e assessoria em serviços de restauração.

 

 

VM Escritório de Arte

José Márcio Viezzi Molfi

Rua Augusta nº 2.203, Loja 18, Galeria América, Cerqueira César, São Paulo-SP

Telefones: 55-11-3311-8578 ou 55-11-99134-4663

Atendimento de segunda-feira a sexta-feira das 9h às 18h

http://www.vmescritarteleiloes.com.br

https://www.facebook.com/marciomolfi/