O Centro dos Relógios Antigos é dedicado à revisão, conserto, restauração e comercialização de relógios antigos nacionais e importados. Ele foi fundado em 1971 por Baltazar Joaquim de Paula e Waldemar Lichtenfels.

 

O início de uma parceria

Baltazar nasceu em Minas Gerais na cidade de São José da Barra. Ele chegou a São Paulo em 1959 e começou a trabalhar numa empresa de auto-peças instalando travas de direção contra roubo. Foi no final da década de 1960 que Baltazar conheceu Waldemar Lichtendels.

Waldemar havia trabalhado com publicidade e passou a se dedicar ao colecionismo de relógios antigos depois da aposentadoria. Com o tempo, começou a trabalhar com a restauração das caixas, evitando mexer nas máquinas. Foi justamente a necessidade de reparar a máquina de um relógio antigo que levou Waldemar a conhecer Baltazar.

Baltazar fez o conserto e a máquina ficou perfeita. Ele ganhou a confiança de Waldemar e viu a oportunidade de se dedicar a uma nova profissão. Fez um curso no Senai e, sempre que necessário, buscava o auxílio de outros relojoeiros para aprender as técnicas de reparo. Por prestar atenção, os relojoeiros gostavam de lhe ensinar.

 

Nasce o Centro dos Relógios Antigos

Em 1971, Baltazar e Waldemar abriram em sociedade o Centro dos Relógios Antigos. Quando a loja foi aberta, São Paulo não tinha um lugar especializado nesse tipo de conserto e restauro, o que impedia que colecionadores e outras pessoas tivessem suas raridades em bom estado e funcionando. O Centro dos Relógios Antigos ganhou rapidamente a credibilidade e confiança dos clientes, passando a ser um ponto de encontro de colecionadores. No final da década de 1970, Waldemar, já idoso, se afastou do negócio. Desde então, Baltazar vem conduzindo a loja.

 

O trabalho do Centro dos Relógios Antigos

Segundo Baltazar, o conserto de um relógio antigo é extremamente minucioso. O relógio é inteiramente desmontado para que as peças sejam retificadas. Por se tratar de relógios antigos, únicos em alguns casos, a maior dificuldade é encontrar peças de reposição. Não havendo a peça, o Centro confecciona uma sob medida. Segundo Baltazar, o ideal é que um relógio antigo seja revisado de três em três anos para manter as engrenagens em ordem. Quando o conserto do relógio não é possível, Baltazar aconselha que ele seja guardado como uma lembrança.

 

Reliquiano-Centro-dos-Relógios-Antigos-Revisão-Conserto-Restauração-Comercialização-2

Relógio de coluna inglês do início do século XX. O relógio está em processo de revisão da máquina.

Reliquiano-Centro-dos-Relógios-Antigos-Revisão-Conserto-Restauração-Comercialização-3

Relógio de coluna inglês do início do século XX. O relógio está em processo de revisão da máquina.

Reliquiano-Centro-dos-Relógios-Antigos-Revisão-Conserto-Restauração-Comercialização-4

Relógio de coluna inglês do início do século XX. O relógio está em processo de revisão da máquina.

Reliquiano-Centro-dos-Relógios-Antigos-Revisão-Conserto-Restauração-Comercialização-5

Reliquiano-Centro-dos-Relógios-Antigos-Revisão-Conserto-Restauração-Comercialização-6

Reliquiano-Centro-dos-Relógios-Antigos-Revisão-Conserto-Restauração-Comercialização-7

Relógio alemão Gustav Becker do início do século XX. O relógio está passando por um processo completo de restauração.

Reliquiano-Centro-dos-Relógios-Antigos-Revisão-Conserto-Restauração-Comercialização-8

Relógio francês de lareira com duas ânforas. Final do século XIX.

 

Centro dos Relógios Antigos

Rua Rocha nº 93, Bela Vista, São Paulo-SP

Telefones: 55-11-3289-5633 ou 55-11-98608-4345

E-mail: contato@centrodosrelogiosantigos.com.br;

http://www.centrodosrelogiosantigos.com.br