Vilma Laroche formou-se em Jornalismo. Em 1985, mudou-se para a Itália para estudar. Em paralelo, começou a trabalhar numa empresa que organizava feiras internacionais de artesanato em Milão. O dono desse empresa era colecionador de objetos etnográficos, possuindo peças peruanas, colombianas e pré-colombianas. Esse foi o primeiro contato de Vilma com a etnografia.

Mudou-se para a França em 1988 e continuou a trabalhar com a comercialização de artesanatos.

Foi em 1996 que Vilma viu pela primeira vez objetos de arte da cultura Dogon, proveniente de Mali, país localizado na África. Ficou fascinada. Como já estava acompanhando a abertura de espaço para objetos etnográficos nas galerias de arte e antiquários dos Estados Unidos e da Europa, Vilma tomou a decisão de começar a trabalhar com eles. Para entender melhor o que já havia se tornado uma paixão, ela começou a estudar Arte Africana na Escola do Louvre, ligada ao Museu do Louvre (“École du Louvre”).

A Galeria Objets Interdits trabalha com arte tribal. Segundo Vilma, os objetos mais procurados são os produzidos até a Década de 1930, e dependendo do caso, até a Década de 1950. O que lhe chama a atenção nesses objetos são as formas e o grafismo que inspiraram artistas como Picasso, Giacometti, Matisse e tantos outros. Esses objetos, que no passado foram abandonados, roubados ou oferecidos, hoje estão nos acervos de renomadas coleções particulares espalhadas pelo mundo e por destacados museus como o British Museum em Londres, Moma em Nova York, Musée du Quai Branly em Paris, e no Museu Afro Brasil em São Paulo. Inclusive, a Galeria Objets Interdits é chamada de “Le Petit Branly” numa alusão ao museu parisiense dedicado a arte etnográfica.

A Galeria Objets Interdits esta localizada no Mercado das Pulgas de Paris, “Marché aux Puces”, sétimo lugar mais visitado da capital francesa. Na galeria também são encontrados obras de arte contemporânea feitas pelo artista plástico Jean-Marc Laroche.

Vilma também coleciona objetos etnográficos há mais de 20 anos. Nos últimos 10 anos, ela passou a se dedicar aos objetos etnográficos femininos africanos como esculturas e máscaras.

 

VL 10

Máscara de cabeça Cimier (masculina) – Tiwara Bambara – País: Mali

VL 9

Máscaras Elefante Bamiléké – País: Camarões

VL 6

Máscara Plancha Bedu, Nafana – Países: Costa do Marfim e Gana

VL 5

Máscara Grebo – País: Costa do Marim

VL 7

Cavaleiro Dogon – País: Mali

VL 2

Escudo Amaro de pele de búfalo – País: Etiópia

VL 3

Relicário Peixe Bonito – País: Ilhas Salomão

VL 4

Conjunto de máscaras funerárias – Países: Gabão, Nigéria e Congo

VL 8

Máscara de ombro Nimba, Baga – País: Guiné

 

Objets Interdits

Vilma Laroche

Marché aux Puces de Paris Saint-Quen, Metro Porte de Clignancourt (Linha 4)

Marché Vernaison – 99, Rue des Rosiers, Allée nº 1, Stand 10, Saint-Quen

A Galeria Objets Interdits funciona nos sábados e domingos das 10h às 18h. Nas segundas-feiras o atendimento é feito mediante horário marcado.

Telefones:  +331 6 19 57 92 16 (celular com Whatsapp)

E-mail: larochevilma@orange.fr