Guerrinha é um dos maiores especialistas em revistas antigas do Brasil. Ele ganhou grande visibilidade por causa da comercialização de revistas Playboy, sendo um dos seus mais renomados colecionadores. Já concedeu entrevistas a Sílvio Santos, Adriane Galisteu e Ratinho, entre outros. Além da Playboy, ele também trabalha com outras revistas como a Placar, Quatro Rodas, Realidade, Cruzeiro, Manchete e Fatos e Fotos, entre outras. Outro produto comercializado por Guerrinha são as enciclopédias antigas como a Barsa, Britânica, Mirador e Tesouros da Juventude.

Guerrinha nasceu em uma família humilde em Quixadá no interior do Ceará. É casado há mais de 30 anos e tem três filhas, sendo duas já formadas, Direito e Tecnologia da Informação, e a terceira cursando Engenharia Civil. Era bom estudante e tornou-se leitor compulsivo graças aos livros de Julio Verne. Leu mais de mil livros sendo os seus preferidos “A Rosa do Polvo” de Carlos Drummond de Andrade, “Grande Sertões Vereda” de João Guimarães Rosa, “O Nome da Rosa” de Umberto Eco, “A Erva do Diabo” de Carlos Castaneda e “Os Miseráveis” de Victor Hugo.

Foi na escola que começou a alugar revistas Playboy e, numa escala menor, Placar. Concluído o segundo grau, havia acumulado recursos suficientes para cursar uma faculdade, mas optou por seguir seus irmãos e se mudar para o Rio de Janeiro. Montou um ponto no calçadão do Posto 6 em Copacabana. Passou a trabalhar com as revistas Quatro Rodas, Realidade, Cruzeiro, Manchete e Fatos & Fotos assim que percebeu que havia demanda. Foi no Rio que Guerrinha ganhou uma coleção completa de Playboys americanas. Ele a vendeu e com o dinheiro ganho comprou uma casa para sua mãe em Quixadá.

Em paralelo, começou a trabalhar no Supermercado Disco. Sem deixar de dar continuidade a comercialização de revistas, trabalhou por dois anos no Rio. Foi transferido para São Paulo onde abriu uma banca no Brooklin. Posteriormente, transferiu seu ponto para onde está atualmente localizado, na Nicom do senhor Hiroshi Shimuta, a quem é muito agradecido. Foi com sua banca na Nicom que Guerrinha ampliou ainda mais seu portfólio de revistas antigas e passou a trabalhar com livros e enciclopédias.

Além de sua história, conversamos também sobre os principais produtos por ele comercializados.

Playboy

A revista Playboy foi fundada por Hugh Hefner em 1953. Sua primeira edição foi publicada em Dez/1953 e estampou na capa Marilyn Monroe. A Playboy americana de maior tiragem foi a de Nov/1972. A tiragem foi de 7,16 milhões de exemplares e a revista trazia na capa Pam Rawlings.

A Playboy começou a ser publicada no Brasil pela Editora Abril em Ago/1975 com o nome “A Revista do Homem”, pois o nome Playboy havia sido vetado pelo governo militar. O nome Playboy passou a ser utilizado a partir de Jul/1978 quando a revista passou a se chamar “Playboy, A Revista do Homem”. A Editora Abril publicou a revista até Dez/2015. A partir de Abr/16 sua publicação passou a ser feita pela PBB Entertaiment. A primeira edição estampou Luana Piovani e teve a tiragem de 100 mil exemplares.

A Playboy americana disponibilizou seu acervo na internet mediante pagamento. A Playboy brasileira não.

Comentários do Guerrinha:

  • Uma coleção completa da revista Playboy é contada desde o número 1 da “A Revista do Homem” de Ago/1975 (Lívia Mund na capa). Mesmo com as mudanças de nomes e de editoras, a Playboy manteve o número sequencial de suas edições;
  • As revistas Playboy mais valiosas são:
    • Xuxa, Dez/1982, Edição 89, “Playboy”;
    • Livia Mund, Ago/1975, Edição 1, “A Revista do Homem”. Trata-se da primeira Playboy publicada no Brasil com o nome “A Revista do Homem”;
    • Debra Jo Fondren, Jul/1978, Edição 36, “Playboy, A Revista do Homem”. Trata-se da primeira revista a trazer o nome Playboy;
  • Os maiores preços foram alcançados em revistas que estavam nas embalagens originais da gráfica e em perfeito estado de conservação. Encontrar uma revista nessas condições é dificílimo;
  • Um exemplo: a Playboy mais cara vendida por Guerrinha foi a Playboy da Xuxa de Dez/1982. Ela foi vendida por R$ 12 mil. A imprensa costuma publicar o valor dessa negociação sem esclarecer que esta revista estava na embalagem original da gráfica e em perfeito estado de conservação. Sem estar nessas condições, a mesma revista não atinge o valor mencionado;
  • Um ponto interessante: Xuxa foi capa de cinco edições da Revista Ele Ela: Dez/1980, Jun/1981, Dez/1981, Ago/1982 e Mai/1983. Os valores dessas revistas não se aproximam dos valores negociados na Playboy de Dez/1982;
  • São também valorizadas as revistas de Betty Faria (Ago/1978 e Out/1984), Cláudia Ohana (Jan/1985), Cláudia Raia (Mar/1984, Set/1985 e Jan/1986), Denise Dumont (Ago/1980 e Jan/1981), Lucélia Santos (Abr/1980 e Nov/1981), Maitê Proença (Fev/1987), Sílvia Bandeira (Abr/1983), Sônia Braga (Set/1984 e Jul/1986), Terezinha Sodré (Out/1986) e Vera Fischer (Ago/1982);
  • Claúdia Ohana, Maitê Proença e Vera Fischer estamparam novamente as capas da Playboy em Nov/2008, Ago/1996 e Jan/2000, respectivamente. Contudo, o valor dessas revistas não alcançam os valores das revistas de Jan/1985, Fev/1987 e Ago/1982;
  • O fato de uma edição da Playboy ter alcançado uma grande tiragem no passado não significa que ela possua um grande valor no presente. Por exemplo, as 5 maiores tiragens da Playboy brasileira são vendidas por aproximadamente R$ 60,00:
    • 1º, Feiticera (Joana Prado), Dez/1999, 1,24 milhões exemplares;
    • 2º Tiazinha (Suzana Alves), Mar/1999, 1,22 milhões de exemplares;
    • 3º Adriane Galisteu, Ago/1995, 961 mil exemplares;
    • 4º Kelly Key, Dez/2002, 850 mil exemplares;
    • 5º Scheila Carvalho, Fev/1998, 845 mil exemplares;

Placar

A Placar foi publicada pela Editora Abril de Mar/70 a Jun/15. Em diferentes momentos a revista foi publicada com periodidade semanal e mensal. A partir de Jul/15 a revista passou a ser publicada pela Editora Caras, tendo retornado para a Editora Abril em Nov/16. O site da Placar possui o acervo digital que vai de Jan/2006 a Dez/2015.

Segundo Guerrinha os valores da Placar são lineares, sendo a número 1 a mais valorizada. As revistas que tratam de títulos importantes podem alcançar valores maiores. Os melhores compradores são as torcidas do Corinthians, Palmeiras e Flamengo.

Quatro Rodas

A Revista Quatro Rodas é publicada mensalmente pela Editora Abril desde Ago/1960. O site da Quatro Rodas possui o acervo digital com todas as edições desde Ago/1960 a Out/2013.

Segundo Guerrinha os valores da Quatro Rodas são lineares, sendo as revistas da década de 60 e 70 as mais valorizadas. A edição número 1 de Ago/1960, em perfeito estado, ou seja, na embalagem original, pode alcançar valores significativos;

Realidade

A Revista Realidade foi publicada pela Editora Abril de Abr/1966 a Jan/1976. A primeira edição teve 250 mil cópias e trazia Pelé na capa com um busby, chapéu utilizado pelos guardas da Rainha Elizabeth. Esse edição tinha 4 manchetes sendo a primeira “Foi assim que ganhamos a Copa”. A Copa do Mundo de 1966 foi realizada três meses depois, em Jul/1966, e o Brasil, que havia ganho as Copas de 1958 e 1962, foi eliminado na primeira fase. Uma ressalva importante. Em Set/1968 a Editora Abril passou a publicar a revista Veja. Havia uma diferença entre a Realidade e a Veja. A revista Realidade mesclava o fotojornalismo praticado por revistas como a Cruzeiro e a Manchete, e o jornalismo de texto que seria feito pela Veja dois anos depois. As duas revistas coexistiram de Set/1968 a Jan/1976. O acervo digital da revista Realidade não foi disponibilizado pela Editora Abril na internet.

Segundo Guerrinha, os valores da revista Realidade são lineares, sendo a mais valorizada a edição número 1 de Abr/1966.

Cruzeiro

A Revista Cruzeiro foi publicada semanalmente pelos Diários Associados (Assis Chateaubriand) de Nov/1928 a Jul/1975. Por muitas anos a Cruzeiro foi a principal revista no Brasil. Não existe acervo digital da revista na internet.

Segundo Guerrinha, os valores da revista Cruzeiro são lineares. A edição mais antiga comercializada por Guerrinha era de 1939.

Manchete

A Revista Manchete foi publicada semanalmente pela Bloch Editores de Abr/1952 a Jul/2000. Por muitos anos foi uma das principais revistas em circulação no Brasil. O nome da revista foi utilizado por Adolpho Bloch para nomear a TV Manchete que operou de Jun/1983 a mai/1999. Não existe acervo digital da revista na internet.

Segundo Guerrinha, os valores da revista Manchete são lineares. A edição número 1 de Abr/1952, em bom estado, pode alcançar valores significativos;

Fatos e Fotos

Existem pouquíssimas informações sobre a revista Fatos e Fotos organizadas e disponíveis. A revista foi publicada semanalmente pela Bloch Editores de Jan/1961 ao início da década de 80, quando passou a ser publicada eventualmente em edições especiais como a morte da Princesa Diana em Ago/1997 ou as coberturas de Carnaval. Não foi possível verificar qual foi a última edição, mas é possível que ela tenha sido publicada no decorrer de 2000 pois a Bloch Editores faliu em Ago/2000. Como parâmetro, a última edição da revista Manchete foi publicada em Jul/2000. Não existe acervo digital da revista na internet.

Segundo Guerrinha, os valores da revista Fatos e Fotos são lineares.

Enciclopédias Barsa, Britânica, Mirador e Tesouros da Juventude

Segundo Guerrinha, o comprador de enciclopédias não é um colecionador. Em geral, elas são compradas como uma recordação particular dos tempos de estudante ou para serem presenteadas a pais ou avós. Os preços das enciclopédias não apresentam variações significativas. As enciclopédias “Tesouro da Juventude” são um pouco mais caras por serem mais antigas.

 

Guerrinha

Rua Ática nº 42, Campo Belo, São Paulo-SP – Ponto de referência: Nicom

Telefone: 55-11-99443-9795

http://www.reidaplayboy.com